sítio de nelson pretto | www.pretto.info | na bahia, são 10:23


Bem Vindo ao sítio de Nelson Pretto - Meus escritos


Warning: Can't find topic ""."" "{a tarde simbolo opiniao}" %STOINCLUDE% A Tarde - 11/04/2006

O Futuro da Ufba

Nelson Pretto diretor da Faculdade de Educação da Ufba - www.unidiversidade.ufba.br

A Universidade Federal da Bahia, como acontece a cada quatro anos, entra em processo de escolha da sua nova administração superior. Este é um momento que, de certa forma, envolve a muitos, tanto em Salvador quanto em toda a Bahia. Em passado bem recente, a escolha de um reitor ocorria com a chancela dos dirigentes máximos da política local, que assim exerciam influência direta nos destinos da única instituição pública federal no Estado àquela época.

A luta pela indicação do novo reitor passava por todos os gabinetes fora da Ufba e era decidida em Brasília à revelia da comunidade universitária que, mesmo não se deixando silenciar, protestando até onde podia, não revertia esta situação. Isso mudou! Felizmente hoje, o procedimento é mais democrático – embora ainda problemático –, a nova administração é escolhida pela comunidade constituída pelos docentes, servidores técnico-administrativos e estudantes.

Avançamos, sem dúvida, mas falta muito para termos um processo, de fato, representativo da vontade do coletivo da universidade. Precisamos buscar e implementar a eleição plena dos dirigentes máximos desta instituição a partir do seu próprio interior, o que, necessariamente, implica em ações mais radicais, a exemplo da paridade de votos nas três categorias citadas; isso porque é especial a natureza desta instituição secular denominada universidade.

Além da responsabilidade de produzir conhecimentos e divulgar culturas – e não somente ela, é bem verdade! –, a universidade se constitui como um dos elementos-chave da produção da crítica na sociedade. Sua autonomia é, portanto, não apenas importante, mas fundamental. A universidade e sua administração superior não podem, a ponto de comprometer a sua autonomia, estar vinculada a governos ou ao mercado, que insiste em querer transformar tudo em mercadoria, inclusive a educação.

As propostas dos postulantes aos cargos de reitor e de vice-reitor estão postas na Ufba. Entretanto, desta vez, vivemos o processo eletivo marcado por uma particularidade: há pouca discussão e pouco espaço para a apresentação das propostas que efetivamente diferenciam as três chapas concorrentes. Mesmo com essas dificuldades que comprometem o processo democrático, anunciamos à comunidade da Bahia a nossa candidatura e a do professor Dirceu Martins à Reitoria e vice-Reitoria da Universidade Federal da Bahia.

Por uma questão de princípio, nosso movimento busca valorizar a Ufba e a sociedade baiana, através da instalação de um processo que abra espaço e dê voz aos diversos segmentos da nossa sociedade, de todas as partes do Estado, a partir de um fortalecimento do ensino, da pesquisa e da extensão, tendo a cultura e a educação como forças motrizes.

A universidade vive e sobrevive produzindo conhecimentos e saberes, apesar dos governos de plantão na própria universidade e no País. Felizmente é assim, o que reforça a importância de sua autonomia plena! Basta lembrar que durante os tempos duros da ditadura militar, quando fomos severamente perseguidos, muito vasta foi a sua produção e exemplar a formação de tantos profissionais, resultando na resistência àquele regime e efetiva colaboração no processo de redemocratização do País.

Para fazer jus à sua história de produção, lutas e resistências, um plano de gestão para a Ufba deve contemplar, basicamente, princípios que garantam a atuação de diversas unidades, setores e grupos para que possam, de forma democrática, atuar e propor aos conselhos superiores – estes fortalecidos! – os passos e as possibilidades futuras de ação. Cabe à administração central catalizar tais processos, viabilizando o andamento dos projetos existentes, estimulando e provocando o surgimento de tantos outros, que terão de ser, prioritariamente, conduzidos pelas unidades e pelos docentes e não pela administração central.

Queremos, desde já, abrir um caminho de diálogo entre as demais universidades públicas de nosso Estado. Fica feito o convite para, a partir de agora, pensarmos em um plano interinstitucional para que o ensino, a pesquisa e a extensão universitárias, em nosso Estado, possam ser realizados de forma complementar e articulada entre Uesb, Uesc, Ufes, Uneb, Cefet, UFRB, Univasf, Fiocruz, escolas agrotécnicas federais e a Ufba. Tal proposta visa à modificação radical da lamentável situação educacional da Bahia. Temos menos de 8% da população de 18 a 24 anos cursando o ensino superior.

A Ufba, pelos seus 60 anos, tem a responsabilidade de, humildemente, pautada no presente e vislumbrando o futuro, colocar-se à disposição das outras instituições para a produção coletiva das tão necessárias mudanças educacionais que o nosso povo espera.


Publicado também no Jornal da Ciência Hoje


Volta ao começo
Copyleft NelsonPretto. Copie tudo!

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Editar Anexar Versões Mais...